Mito que “Mulher ao volante, Perigo constante” é desvendado!

Mulher ao volante sorrindo
Mulher ao volante..

De acordo com uma nova pesquisa, mulheres superaram os homens não só nos testes avaliados de dentro do carro, mas também quando observadas anonimamente usando um dos cruzamentos mais movimentados do Reino Unido, o Hyde Park Corner.

Um total de 50 motoristas enfrentaram avaliação de dentro do carro, enquanto 200 foram assistidos no cruzamento. Testados em 14 aspectos diferentes de condução, as mulheres marcaram 23,6 pontos de um total possível de 30, enquanto os homens totalizaram apenas 19,8 pontos.

Mas outra parte da pesquisa, realizada pela Seguradora Privilege, apontou que poucas mulheres achavam que dirigiam melhor que os homens, enquanto eles acreditavam que elas eram superiores por trás dos volantes. Na categoria direção defensiva, apenas 4% das mulheres, mas 27% dos homens deixavam o carro ficar muito perto do veículo da frente.

Apenas 1% das mulheres, mas 14% dos homens, impediram a passagem de um carro para a pista desejada, enquanto 24% dos homens, mas apenas 16% das mulheres, admitiram o uso de celulares enquanto estava no volante.

No quesito cortesia nas estradas, as mulheres também lideraram, sempre sendo educadas com outros pilotos, em comparação com os homens.



Confira o comparativo com as porcentagens de alguns dos itens avaliados:

Problemática Mulheres Homens
Velocidade apropriada ao se aproximar de um semáforo 75% 55%
Parar com segurança na luz amarela 85% 44%
Impacto negativo noutros motorista 54% 73%
Sinalização adequada 96% 82%
Uso adequado dos retrovisores 79% 46%
Observação efetiva ao fazer manobras 71% 82%
Dirigir muito próximo ao veículo da frente 4% 27%
Manter-se no limite de velocidade da via 89% 86%
Manter-se em velocidade adequada para a situação 64% 64%
Ter o controle do veículo 96% 100%
Cortar curvas 43% 68%
Falar ao telefone ou mandar mensagem ao volante 16% 24%
Cortar perigosamente os outros veículos no trânsito 1% 14%
Causar obstrução na via 16% 25%
2 de Outubro de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota

Como manter o seu carro em bom estado

Homem mexendo em motor de automóvel
Homem limpando o motor

Todos os carros sofrem depreciação de mercado a cada ano e um dos fatores que pode contribuir para que ele fique ainda mais desvalorizado é a falta de cuidados. Dessa forma, deixá-lo conservado é muito importante para garantir sua valorização, principalmente na hora da venda ou troca.

Abaixo você pode conferir algumas dicas para manter seu carro conservado, bonito e impecável:

A volta da praia

O sal acelera a oxidação (ferrugem) nas peças que não possuem tratamento anticorrosão. As mais atingidas são peças fundidas com alto teor de carbono, como discos de freio, cilindros de roda, bloco do motor, pinças de freio, entre outras. Por isso, é muito importante que o carro seja bem lavado após a volta da praia.

Sem querosene

Nunca use querosene ao lavar o carro, pois o produto danifica a pintura e as borrachas da suspensão. Água e sabão neutro são suficientes para uma boa limpeza. Quem deixa o carro exposto ao sol e à chuva diariamente, pode encerar a cada três meses.

Conserte os amassadinhos

Pequenos amassados devem ser reparados o mais breve possível. É comum as pessoas acumularem os serviços de funilaria e pintura e, por conta disso, deixarem de lavar seus carros. De repente, elas percebem que terão que pintar todo o carro: isso porque muitas vezes a ferrugem toma conta do local amassado, deixando uma impressão pior ainda.

Evite manchas

Deixe seu carro longe de goteira de cimento, óleo de freio, fezes de pássaros, gasolina, entre outros. Se seu carro possui manchas provocadas por alguns destes produtos é melhor levá-lo a uma oficina especializada para tentar removê-las. Soluções caseiras utilizando materiais inadequados podem piorar o problema.

Cuidado com máquinas de asfalto e demarcação

Respingos de asfalto podem ser removidos da pintura com óleo para bebês. Já respingos de tinta demarcatória de asfalto (como faixas de pedestres) devem ser tirados apenas em oficina especializada.

Carro repintado requer mais cuidado

Carros com pintura sólida que já foram repintados necessitam de mais cuidado, pois a maioria das oficinas de funilaria e pintura utiliza o PU (poliuretano) no lugar do Poliéster (utilizado pelas montadoras). Como o PU não exige a aplicação da camada de verniz, a pintura fica mais vulnerável a manchas.

Atenção no lava-rápido

Todo carro deve ser lavado na sombra, começando pelo teto. No entanto, é comum encontrarmos lavadores que começam por baixo - a parte que geralmente possui terra respingada das rodas. Se o lavador encher a bucha de terra, provavelmente vai riscar a lataria. Este fato é muito observado em carros pretos: as marcas de movimentos circulares ficam bem evidenciadas.

Capas nem sempre protegem

Capas plásticas não combinam com umidade nem poeira. Para cobrir um carro é necessário que o material esteja totalmente limpo e seco. Dê preferência para capas forradas por dentro e com grande ventilação.

Polimento sem exagero

Polimentos, cristalizações, espelhamento e revitalizações são bem-vindos, porém com moderação. Geralmente esses serviços são indicados para pinturas manchadas, queimadas de sol. Para veículos novos e seminovos, sem manchas, a melhor opção é o enceramento.

15 de Setembro de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota

Como conseguir desconto no seguro do seu carro?

texto 3d de 50%
Descontos em seguro auto?

Se você é o tipo de cliente que raramente dá aquela ligadinha para o corretor para acionar a seguradora, saiba que os benefícios valem não só pra eles, mas para você também.

A variação no preço dos seguros de carros entre clientes que registraram sinistros e aqueles que não registraram há mais de dois anos é de 18,74% em média e chega a 49,47% entre aqueles que não registram sinistros há mais de dez anos.

A diferença de valores é fruto de uma política de desconto usada pelas seguradoras, a chamada classe de bônus. É um benefício que oferece descontos aos segurados que não registram sinistros durante um determinado período.

O sinistro é um tipo de evento, como roubo ou batida, que obriga a seguradora a indenizar o cliente.

As classes de bônus variam de zero a dez e a cada ano que o cliente passa sem registrar sinistros, ele avança sua posição na classe de bônus.

No primeiro ano de contratação do seguro, por exemplo, o cliente é classificado na classe zero. Se após um ano com o seguro ele não registrar sinistros e renovar sua apólice no segundo ano, ele passa a ser enquadradado na classe um, no terceiro ano, na classe dois e assim por diante.

“A classe de bônus é um dos principais fatores que compõem valor do seguro, pois passa à empresa uma segurança grande sobre o motorista”, diz Maurício Antunes, diretor de marketing da Bidu.com.br.

Veja a seguir os resultados do levantamento da Bidu realizado com três seguradoras. A pesquisa detalha a variação de preços de acordo com a classe e com o tipo de franquia contratada (valor que o segurado desembolsa quando ocorre algum tipo de dano parcial ao seu veículo).

O desconto aumenta quanto maior o tempo que o cliente fica sem acionar a seguradora para cobrir algum sinistro.

Se o período sem sinistros for de apenas dois anos, os descontos já chegam a ser interessantes, de mais de 15%. E ao chegar à classe de bônus 10, a maior possível, o cliente chega a conseguir pagar metade do valor que pagaria se estivesse na classe 0.

10 de Agosto de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota

Carros brancos e pratas são os preferidos dos consumidores

Automóvel seccionado com múltiplas cores illustrando a variedade de cores disponíveis no mercado
Descontos em seguro auto?

Uma pesquisa anual, realizada por uma fabricante de tintas automotivas, revelou que as cores preferidas para carros na América do Sul são branco e prata. Cada tonalidade responde por 32% dos carros produzidos na região neste ano de 2014.

Depois delas, aparecem preto, cinza, vermelho e azul, que têm 13%, 11%, 8% e 2% dos carros produzidos no mercado, respectivamente. A análise revela ainda que os automóveis brancos são mais procurados para picapes, minivans e SUV’s e os modelos em cor prata são mais populares em compactos, como hatches e sedãs.

Outra pesquisa divulgada no início de 2014 já mostrava que o automóvel branco estava entre os queridos do consumidor, mesmo com outro estudo divulgado revelando que a tendência para os carros do ano seria a cor vermelha.

A cor é um dos fatores importantes na hora de escolher um automóvel. Além de gostar da tonalidade, o consumidor também deve ficar atento, pois algumas delas podemdesvalorizar o veículo, aumentando sua depreciação.

2 de Agosto de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota

Os carros com o menor custo de reparo no Brasil

Volkswagen branco parado de lado na estrada
Quanto fica a reparação?

Quem vai comprar um carro sempre acaba escolhendo o modelo pelo preço, marca, cor, ano, mas quase nunca pensa nos possíveis custos de reparabilidade. Por isso, o Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) divulgou a lista de carros com menor custo de reparo no Brasil por categorias.

O instituto faz testes de colisão com os veículos e depois analisa a facilidade e o valor do conserto, dando-lhe pontos. Quanto menor a pontuação, mais simples e barato é o reparo. O grande vencedor dos testes foi o Volkswagen Up!, que com apenas 11 pontos foi o modelo com o menor custo de reparo entre os avaliados.

Entenda o teste O Cesvi recebe o veículo da fabricante e logo em seguida promove colisões a 15 km/h, pegando 40% da dianteira esquerda e 40% da traseira direita, conforme normas internacionais.

Após as batidas, o carro vai para uma oficina, onde os especialistas do instituto avaliam a extensão dos danos, peça por peça, e a facilidade do reparo.

O cálculo para a pontuação final leva em consideração os custos do conserto, os tempos de substituição e a cesta básica de peças.

Abaixo, você confere a lista com os vencedores em cada categoria e seus referentes pontos. Lembrando que a pontuação MENOR representa o custo de reparo mais barato.

Categoria Fabricante Modelo Pontos
Hatch compacto Volkswagen Up! 11
Hatch compacto off-road Renault Sandero Stepway 31
Hatch médio Peugeot 308 27
Hatch médio off-road Suzuki SX4 41
Minivan compacta Citroën C3 Picasso 29
Picape compacta Volkswagen Saveiro 25
Sedã compacto Toyota Etios Sedan 14
Sedã médio Peugeot 408 25
Utilitário esportivo off-road Suzuki Jimny 36

26 de Julho de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota

Desconto por meio de Sinistro

Fileira de carros novos
Descontos com seguradoras

Se você é o tipo de cliente que raramente dá aquela ligadinha para o corretor para acionar a seguradora, saiba que os benefícios valem não só pra eles, mas para você também.

A variação no preço dos seguros de carros entre clientes que registraram sinistros e aqueles que não registraram há mais de dois anos é de 18,74% em média e chega a 49,47% entre aqueles que não registram sinistros há mais de dez anos.

A diferença de valores é fruto de uma política de desconto usada pelas seguradoras, a chamada classe de bônus. É um benefício que oferece descontos aos segurados que não registram sinistros durante um determinado período.

O sinistro é um tipo de evento, como roubo ou batida, que obriga a seguradora a indenizar o cliente.

As classes de bônus variam de zero a dez e a cada ano que o cliente passa sem registrar sinistros, ele avança sua posição na classe de bônus.

No primeiro ano de contratação do seguro, por exemplo, o cliente é classificado na classe zero. Se após um ano com o seguro ele não registrar sinistros e renovar sua apólice no segundo ano, ele passa a ser enquadradado na classe um, no terceiro ano, na classe dois e assim por diante.

“A classe de bônus é um dos principais fatores que compõem valor do seguro, pois passa à empresa uma segurança grande sobre o motorista”, diz Maurício Antunes, diretor de marketing da Bidu.com.br.

O desconto aumenta quanto maior o tempo que o cliente fica sem acionar a seguradora para cobrir algum sinistro.

Se o período sem sinistros for de apenas dois anos, os descontos já chegam a ser interessantes, de mais de 15%. E ao chegar à classe de bônus 10, a maior possível, o cliente chega a conseguir pagar metade do valor que pagaria se estivesse na classe 0.

8 de Julho de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota

Não fazer as revisões previstas pode ter consequências graves no seu carro. Confira quais aqui!

Muitos mecânicos à volta de um único smart
Faça as revisões do seu carro

Se você não é o tipo de condutor que cumpre as datas das revisões do seu automóvel, e acredita que esse é um assunto que pode esperar mais uns quilômetros, fique esperto! Segundo alguns peritos em carros, esse prática tem várias consequências ruins no seu carro.

Cada marca tem previsto um plano de revisão das várias partes do carro, geralmente estipulado para ser feita a cada 10 mil km. No entanto, muitas pessoas não seguem esse planejamento e muitas vezes deixam até o carro sem manutenção vezes seguidas, deteriorando a condição do mesmo sem se aperceberem disso. Pensando nisso, divulgamos uma lista dos sintomas que algumas das peças principais apresentam no caso de falhar a revisão, para que você entenda melhor o seu veículo:

Suspensão: Esta parte do carro é geralmente revista a cada 10 mil km efetuados, dependendo do tipo e frequência de uso do veículo. Falhando uma manutenção frequente, os amortecedores vão se desgastar mais rapidamente, e você vai começar a escutar ruídos e vai notar que o carro será mais sensível a buracos e solavancos, ás vezes perdendo até o contato permanente das rodas com o asfalto. Isso terá como consequência principal uma redução da frenagem, aumentando a distância em 2,5 metros, mas também um aumento de instabilidade e risco maior de aquaplanagem, causando grande perigo e desconforto para quem dirige o carro.

Ignição: Geralmente é recomendada a troca a cada 20 mil km, mas para carros que trafegam muito em grandes centros urbanos, é possível ter que cortar essa previsão pela metade por serem casos de uso intensivo. Não sendo respeitado esse prazo, o automóvel vai começar a apresentar maiores níveis de consumo e/ou maiores níveis de emissões de CO2. Isso poderá ter como consequência no seu carro, o desgaste de peças do sistema de ignição como cabos e outras peças vitais, á sua circulação.

Óleo: Essa parte vital do funcionamento do motor deve ser trocada entre os 5 e os 10 mil km, dependendo do tipo de óleo utilizado. Quando não é efetuada essa troca, você notará que o seu carro vai começar a deixar pingos ou até poças de óleo por onde fica estacionado e, em caso extremo fumaça vai começar a sair do escapamento, indicando óleo queimado. A consequência dessa situação pode ser a perda total do motor, pois a perda de óleo vai aumentar com o tempo que vai passando até á troca, podendo chegar a zero.

Bateria: A garantia total é de 3 meses por lei, mas a maioria dos fabricantes oferecem 2 anos de garantia pelas mesmas. Normalmente qualquer sinal de mau funcionamento da parte elétrica é indicado pelas luzes no painel de instrumentos do carro, no entanto, você também poderá notá-los quando o carro começa tendo dificuldades para ligar, ou se ele simplesmente não ligar. Não efetuando a troca da bateria no prazo, terá como consequências um mais rápido descarregamento da mesma.

Sistema de Frenagem: Esse é também um dos sistemas que é verificado nas revisões periódicas do veículo, ou seja normalmente a cada 10 mil km. No caso de não o ser você pode notar o pedal de freio baixo, ou a necessidade de pisar mais forte no mesmo, ruído nas pastilhas, trepidação e mau funcionamento do freio de estacionamento. Isso terá como consequências um desgaste mais rápido das peças, podendo ter uma perda total dos freios e/ou uma diminuição da espessura dos discos ou tambores, podendo levar ao empenamento da roda, ou até quebra do mesmo.

A parte de respeitar as revisões previstas pelas montadoras, os especialistas recomendam um uso balanceado do carro pelo condutor, pois o abuso levará certamente a um maior desgaste do mesmo, e aumenta os riscos corridos quando dirigindo. Cuide do seu carro e estará cuidando de você mesmo e de quem o rodeia!

23 de Maio de 2015 | Seguro Automóvel | e-Cota